Sunday, 28 July 2013

O Amor como Projecção ou Do Desprezo de Si

O amor perfectivo que os seres humanos buscam não valerá, por si só, a qualidade com que o sonham ― a de que aperfeiçoa. Pode ajudar, mas ainda só ajudará se for encarado como uma coisa imanente no homem, e não como uma ilusória espera, mais uma vez sobrenatural, de que vem ― qual asseidade ― salvar. O amor de nada servirá se não tiver, a priori, a sua origem no Eu. Como tudo na Natureza. Sem a destreza do Eu a organizar conscientemente o seu lugar no mundo, de nada nos valerá o que quer que seja. Se continuarmos a depositar as nossas ideias das coisas em projecções, nos outros ou num além qualquer, nunca nos poderemos ser, nunca nos poderemos valer, quando somos nós apenas quem o poderá.

Todo o desejo de, toda a vontade salvífica começa e acaba em nós. De resto, há só a espera desinteligente. Não há outro móbil perfectivo senão o próprio sujeito.

No comments:

Post a Comment